Um apaixonado por futebol... e pelo Chelsea

Eu não sei direito por onde começar. É complexo, é de difícil discernimento. Vamos lá.

Tudo começou em 2005, com 5 anos, quando eu não fazia ideia do que realmente era o futebol. Na época, era uns caras correndo atrás de uma bola, com o simples objetivo de colocá-la dentro da goleira. Me apaixonei pelo esporte neste ano, quando vi um gaúcho encantar a Espanha e o mundo. Ronaldinho Gaúcho. Provavelmente este cara foi o maior responsável por eu gostar tanto e viver disso hoje em dia.

O primeiro clube que acompanhei mais de perto foi obviamente o Barcelona de 2005. Lembro que assistia numa TV 14'' no quarto dos meus irmãos. Lembro de ver Ronaldinho brilhar e de ficar muito bravo quando o mesmo começou a pegar banco em alguns jogos. Três anos depois, migrou da Espanha para a Itália. Adivinha? Passei a acompanhar o Milan.
Ronaldinho em ação contra o Chelsea, em 2005.
Assim foi até que o mesmo voltou para o Brasil e não para o Grêmio, meu time do coração. A partir daí, comecei a ver futebol como um todo. Lembro de que em 2010/11, me apaixonei pelo Borussia Dortmund, ao ver aquela torcida absurda comemorando mais um título alemão. Aliás, o acompanho até hoje. Quando cantam You'll Never Walk Alone, arrepia.

Quando eu era pequeno, tinha muito de só gostar de clubes que vestiam azul, por ser gremista. Sim. Esse foi o motivo pelo qual passei a acompanhar o Chelsea. Lembro de um jogo, devia ser 2009 ou 2010, acordei num sábado cedo, fui pra sala e vi meu irmão assistindo campeonato inglês. Era Chelsea e alguém. Pronto. Virei Chelsea.

Por ironia do destino, neste ano, Lampard brilhava, aproximava-se de recordes e o Chelsea era campeão inglês marcando 103 gols no campeonato. Foi o que bastou pra um garoto que era acostumado a só ver Ronaldinho Gaúcho, começar a ver futebol europeu como um todo. Um pouco espanhol, um pouco alemão, muito inglês.
Chelsea campeão inglês na temporada 2009/10.
Sortudo ou não, comemorei uma UEFA Champions League 2 anos depois. Comemorei mesmo. O moleque de 12 anos pulou, gritou, xingou muito o Schweinsteiger no twitter e se emocionou. Pra quem torce pro Grêmio e não tá acostumado a comemorar títulos (autobullying), aquilo pra mim foi o ápice, mesmo ainda sendo muito jovem.

Passou o tempo e conheci outra paixão: a do escrever. Pensei em conciliar as duas coisas e criar algo que me fizesse bem. Após algumas tentativas, sendo colunista de sites como Borussia Dortmund Brasil, de um sobre o Grêmio e de alguns blogs falando sobre o Chelsea, criei um próprio. Eis que surge o Blues Of Stamford, pra agregar conteúdo e informação com lampejos de profissionalismo à todos os torcedores do maior de Londres no Brasil.

Com 2 anos de existência, acumulo números significativos aqui, visualizações de fora do país e até do outro lado do mundo, mas nada se compara ao carinho e elogios que diariamente recebo em nome do site. É o suficiente pra que mesmo com certas dificuldades, o Blues Of Stamford siga. 
O Blues Of Stamford foi fundado em 8 de dezembro de 2014 e se sustenta até hoje.
Sigo firme e forte, com objetivos simples: informar, torcer e se emocionar.