Hora da verdade


Por Adalmilson Neto

A pré-temporada é o período que os times recebem seus jogadores e comissão técnica de férias visando trabalhar para recuperar o melhor condicionamento físico e tático, para voltarem a ter ritmo de jogo e provarem seu valor dentro da equipe para a temporada que vai começar. Mas também é um período de novidades e de tensão para o clube, jogadores, comissão técnica e torcedores, principalmente com uma Copa do Mundo fechando a temporada anterior. Tudo isso causa muitas perguntas que ficam na mente de nós torcedores até o começo da temporada. Manter o técnico ou trocar? Quais jogadores vão ser contratados? Quem sai? Quem fica? Quais jogadores e qual formação utilizar? E por fim, por que não venderam aquele cara que todos criticam ou deixaram sair uma daquelas estrelas do time?

Contudo, no decorrer da pré-temporada, ocorre a International Champions Cup. Um torneio amistoso que visa possibilitar os técnicos a realizarem testes no elenco, podendo assim responder algumas das nossas dúvidas.

Com a chegada do nosso novo técnico, Maurizio Sarri, estávamos todos ansiosos para saber que tipo de time iria ser montado e enfim assisti-lo em ação. Sabíamos que não seria nada fácil. Novo técnico, novos jogadores, novo estilo de jogo, podem levar um certo tempo para se encaixar. Porém, do que pode ser visto desse novo Chelsea nos jogos do torneio e também na Community Shield, acredito que houve mais pontos positivos do que negativos.

PONTOS POSITIVOS:

Troca de formação
Enfim a tão sonhada troca de formação, saindo do que já foi a poderosa formação 3-4-3, para a formação mais ofensiva 4-3-3. Deixando o time mais solto para buscar o ataque, nos deixa esperançosos de ser um time imponente e forte.

Mais chances criadas
Nos tornamos mais ofensivos e com isso criamos mais oportunidades. Os meias estão mais presentes no ataque, buscando a finalização enquanto os laterais apoiam com cruzamentos e ultrapassagens.

Mais toque de bola
Chega dos desgastantes lançamentos longos a todos os momentos do jogo, deixando o nosso centroavante sobrecarregado. Agora temos toque de bola envolvente, desde do goleiro até o ataque. A transição é muito boa, os jogadores não se mostraram nervosos ou incomodados com a pressão do adversário.

Jorginho se tornou a peça central do esquema de Maurizio Sarri.
Jogadores aproveitando as chances
Algumas surpresas nesse torneio, começando por Hudson-Odoi, jogador da base, que fez grandes atuações, ganhando a promoção ao time principal e a promessa do Sarri de ter mais tempo de jogo. Marcin Bulka, também da base, goleiro que fez grandes defesas e mostrou personalidade, gritando e orientando os companheiros apesar da idade, demonstrando ter utilidade para o elenco. Tammy Abraham, jogador formado na base, que já foi emprestado algumas vezes, jogou bem quando entrou e embora não tenha marcado nenhuma vez, se movimentou bastante e buscou jogo. E por fim, Ross Barkley. Nossa contratação de inverno da última temporada, enfim demonstrou bom nível técnico e condicionamento físico esperado dele quando foi contratado. Agora demonstra estar completamente recuperado de uma lesão, e com bom tempo para treinar, está confiante e realizou arrancadas de contra-ataque, fazendo a transição com velocidade, criando oportunidades e chegando bem para finalizar. 

PONTOS NEGATIVOS:

Defesa exposta
Com menos um na linha defensiva, os laterais não tinham a devida proteção quando subiam ao ataque, e os dois zagueiros acabaram em situações perigosas. Também é necessário a linha de 3 volantes estar um pouco mais perto da zaga na hora de defender. Compactar é importante.

Ataque sem aproveitamento
Apesar de chances criadas e de algumas serem claras, foram desperdiçadas. Tanto por nosso centroavante Morata, quanto pelos demais jogadores. Fizemos apenas 2 gols, sendo um de rebote e outro de escanteio.

Jogadores continuando a demonstrar baixo nível técnico
Alguns jogadores demonstraram ainda estar muito abaixo do esperado. Como Morata, que perdeu várias chances, principalmente um pênalti durante o tempo normal da partida contra o Arsenal, também não se mostrava confiante com a bola nos pés, perdendo a posse várias vezes. Bakayoko e Drinkwater, que por vezes se esconderam e foram facilmente vencidos pelos adversários. E fechando, Zappacosta, que não foi efetivo tanto ofensivamente, não conseguiu criar nada de especial no time, desperdiçando a posse de bola durante as transições e sem ser sólido em momentos na defesa. 

Morata teve várias chances desperdiçadas durante a pré-temporada do Chelsea.
Acredito que de maneira geral, apesar de nenhuma vitória e de uma derrota para o Manchester City na Community Shield, o time está andando no caminho certo. O time está bonito de se ver jogar, irreconhecível, diferente e ofensivo. Se converter as chances criadas e prestar atenção na transição para a defesa, certamente as vitorias virão.

A maioria das nossas perguntas já foram respondidas com a conclusão da pré-temporada, e o momento de errar e trabalhar para corrigir os erros já passou. Agora é hora dos jogadores que ficaram ser mostrarem dignos de seu lugar na equipe, com raça e determinação. Chega de time desmotivado, sem vontade e retranqueiro. Esperamos que essa fase enfim tenha passado e que agora seja diferente. Esperamos um Chelsea imponente e os anos de futebol defensivo e pragmático possam apenas uma memória distante. Agora é hora de sermos vencedores não pela defesa sólida, e sim com um ataque implacável e um futebol bonito de se ver. A Premier League começa hoje, e o nosso Chelsea joga no sábado contra o Huddersfield Town fora de casa. Se queremos conquistar mais uma vez a liga, temos de mostrar desde a primeira rodada, caso contrário, o mínimo é a nossa vaga na Champions League assegurada. 

Postar um comentário

0 Comentários