"Marcar Lewandowski é uma tarefa de Hércules", analisa Gerd Wenzel

Gerd Wenzel é o entrevistado do Blues Of Stamford. (Foto: Lucas Lima/UOL)

O sorteio das oitavas da Champions League 2019/20 colocou o Chelsea frente a frente de um velho conhecido, o Bayern de Munique. Para falar dos alemães, nada melhor do que o jornalista Gerd Wenzel, que gentilmente aceitou o convite do Blues Of Stamford para uma breve e interessante entrevista.

Gerd Wenzel, nasceu em Berlim, Alemanha, no ano de 1943. Trabalha como jornalista, comentando jogos da Bundesliga e da Alemanha nos canais ESPN. Wenzel nasceu em Berlim, no bairro Prenzlauer Berg, em 1943 durante a 2ª Guerra Mundial e veio ao Brasil como refugiado da Alemanha Oriental (antiga DDR), em 1955, juntamente com sua família. 

Desde cedo tomou gosto pelo futebol brasileiro, inclusive porque morava a poucas quadras do Estádio Municipal do Pacaembu, onde teve a oportunidade de presenciar, ao vivo e a cores, o surgimento da maior estrela do futebol mundial: Pelé.

(Imagem: ESPN Brasil)

Desde 2004 mantém na Internet um site sobre a Bundesliga, trabalho pioneiro que abriu as portas do futebol alemão para o público brasileiro, o www.bundesliga.com.br.

*Informações: Gerd Wenzel.

A entrevista foi realizada por Gustavo de Araújo, diretor geral e colunista do Blues Of Stamford. 

Como você explicaria a oscilação do Bayern na Bundesliga e a campanha perfeita na fase de grupos da Champions League?

Na Champions League o Bayern teve a sorte de ficar num grupo reconhecidamente fraco, onde praticamente de antemão já se sabia quais seriam os dois classificados. Acrescente-se a esse fato a vitória estratosférica e fora da curva sobre o Tottenham em Londres e se obtém um quadro que permitiu ao Bayern jogar leve e solto porque a passagem para a fase seguinte estava praticamente garantida. Na Bundesliga, os adversários, especialmente os considerados pequenos, aprenderam como enfrentar o Bayern e, eventualmente aprontam uma surpresa. O time, por falta de opções táticas, tem muitas dificuldades quando enfrenta equipes bem montadas no setor defensivo e que só jogam por uma bola preferencialmente no contra-ataque.

Como a torcida alemã do Bayern encara o confronto com o Chelsea? Há um clima de revanche após Munique 2012?

É considerada uma revanche sim, ainda que em menor grau. São as 8ªs de final com jogo de ida e volta ao contrário daquela traumática final de 2012. 

LEIA MAIS:

Qual seria, na sua visão, o grande ponto fraco do Bayern?

Exceto Neuer, é o setor defensivo por conta de contusões e jogadores que já passaram do seu ápice como Boateng e Martinez. Falta também alguém que organize o jogo do Bayern especialmente no quesito transição defesa – meio campo – ataque.

Como neutralizar Lewandowski? Considerando que o sistema defensivo do Chelsea é o principal problema do time na temporada

Marcar Lewandowski é uma tarefa de Hércules. Uma opção poderia ser tentar neutralizar os principais garçons dele – Müller e Coutinho. 

Lewandowski chegou a 30 gols na temporada. (Getty)

Quais as principais diferenças nos estilos de jogo de Kovac e Flick?

Não vejo muita diferença. Desde a saída de Guardiola e as aposentadorias de alguns jogadores-chave como Lahm e Schweinsteiger, o Bayern se resume a bolas levantadas sobre a grande área e ao talento individual de alguns jogadores. Do ponto de vista estratégico e tático, nada de novo. O clube precisa urgentemente contratar um técnico à altura do elenco e que seja capaz de formatar um coletivo eficiente que não dependa apenas da genialidade de um ou outro jogador.

ESPECIAL:

Flick tem capacidade para potencializar o Coutinho? O brasileiro teve uma atuação de gala contra o Bremen.

Flick é uma solução provisória e cá entre nós, a atuação de Coutinho contra o Werder Bremen não é parâmetro. Basta dizer que nos dois jogos seguintes, o brasileiro teve uma atuação discreta, para dizer o mínimo. Nas duas partidas foi sacado já ao final do tempo regulamentar e Zirkzee, que entrou no seu lugar, de cara, marcou um gol em cada jogo.

Para Gerd, Coutinho vem de atuações discretas. (AFP)

Qual a sua previsão sobre o confronto contra o Chelsea? Acredita no Bayern favorito?

O favoritismo, ainda que ligeiro, é do Bayern, justamente pelos seus valores individuais. Mas você sabe como é, comentarista às vezes costuma queimar a língua.

Fugindo um pouco do assunto. Os rumores dão conta de que o Chelsea possa estar interessado em Timo Werner. O que você pensa sobre o centroavante do Leipzig na Premier League e no Chelsea?

Timo Werner tem contrato com o Leipzig até maio de 2023 mas há uma cláusula de rescisão contratual de apenas 30 milhões de Euros. Acho difícil Werner deixar o clube agora por dois motivos: renovou seu contrato há três meses e com o novo técnico Julian Nagelsmann, o potencial do atacante está sendo explorado ao máximo, tanto é verdade que é o vice-artilheiro da Bundesliga com 18 gols logo atrás de Lewandowski com 19. De todo modo, se um dia for para o Chelsea, pode dar certo, por que não?   


Está acompanhando o Christian Pulisic nesta temporada? Com base no que apresentou em Dortmund, pode vir a ter a importância que o Hazard teve em Stamford Bridge?

Não tenho acompanhado o desempenho do Pulisic. Pelo que apresentou no Borussia Dortmund, não acredito que possa ter a importância que Hazard teve.

O Blues Of Stamford agradece Gerd Wenzel pelo tempo disponibilizado para conosco e pelo bate-papo sobre o futuro adversário do Chelsea no mata-mata da UEFA Champions League.

Postar um comentário

0 Comentários