Falta equilíbrio ao time do Lampard

Pulisic foi o único que conseguiu criar contra o Manchester United. (Foto: Getty Images)


A estreia do Chelsea na fase de grupos da UEFA Champions League desta temporada ocorreu na última terça-feira, dia 20/10, e pôs a equipe frente a frente contra o Sevilla, atual campeão da UEFA Europa League. Apesar de toda a expectativa da torcida por um bom resultado, os comandados de Frank Lampard criaram muito pouco e não saíram do 0 a 0, mesmo jogando em Stamford Bridge. No sábado seguinte, contra o Manchester United, em Old Trafford, nova igualdade sem gols e novo deserto criativo, com pouquíssimas oportunidades geradas para marcar. A destacar de ambos os jogos, apenas os clean sheets, em grande medida devidos às boas atuações de Thiago Silva e Edouard Mendy. Será que precisamos mesmo sacrificar o ataque para corrigir a defesa?

INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE

A grande diferença entre as duas partidas está no aspecto tático: se, contra o clube da Andaluzia, Lampard mandou a campo o time no 4-2-3-1, com o quarteto de ataque composto por Pulisic (direita), Havertz (meia centralizado), Mount (esquerda) e Werner (centroavante), contra o Manchester United, vimos o ressurgimento do esquema com 3 zagueiros, pela primeira vez utilizado nesta temporada. Como homens mais adiantados, tivemos Havertz, Werner e Pulisic, este último jogando em sua posição preferida, pela esquerda. Ainda assim, as chances claras de gol não apareceram e, como ocorre quase toda semana, levantou questionamentos entre os torcedores sobre a capacidade de Lampard como treinador. Para piorar, nas coletivas de imprensa após ambos os jogos, ele se mostrou feliz com os empates, exaltando o fato de não haver concedido gols, mas sem mencionar muito a dificuldade criativa de sua equipe.

Mendy foi destaque nas últimas duas partidas e vai colecionando clean sheets no seu início pelo Chelsea.

As estatísticas dos confrontos também refletem toda a dificuldade encontrada nesses duelos. Ante o Sevilla, o Chelsea teve menos posse de bola (56% x 46%), finalizou apenas 6 vezes (das quais somente 4 foram no alvo), trocou menos e teve menor precisão nos passes. No confronto contra os rivais de Manchester, apesar de a posse de bola ter sido dividida igualmente e ambas as equipes terem trocado o mesmo número de passes (582 cada), foi o United quem chutou mais, com 14 chutes totais (4 na direção do gol), enquanto os Blues arremataram 6 vezes, mas somente deram trabalho a De Gea com Pulisic.

> Todos os episódios do Podcast Of Stamford

Para finalizar, é necessário falar que esse desequilíbrio entre defesa e ataque passa muito pela dupla de meio campistas que tem figurado no onze inicial de Lampard: Kanté e Jorginho. Ambos dividem, quase que igualmente, a responsabilidade pela marcação, mas também são responsáveis pela transição ofensiva do time, seja com passes (mais característico do ítalo-brasileiro), seja acelerando o jogo pela condução de bola (algo que o francês faz com mais facilidade). O problema é que Jorginho não marca ninguém, não tem velocidade para acompanhar os ataques adversários na corrida e, contra adversários que o pressionem alto, nem o passe consegue ter, tornando-o peça praticamente nula. Nesse sentido, já passou da hora de promover a volta de Kovacic ao lado de Kanté: se não é exímio marcador, é um dos melhores da Europa em sair de pressões e acelerar o jogo pelo meio. Sem dúvidas, uma alteração que poderíamos ver já na próxima quarta-feira, contra o Krasnodar.



Postar um comentário

0 Comentários