Sete vezes Pernille Harder

Foto: Getty Images

Por Alícia Soares
Pernille Harder foi um grande destaque do futebol feminino na temporada 2019-2020. Foi vice-campeã da UEFA Women 's Champions League e eleita a melhor jogadora da Europa, além de também ter sido indicada ao prêmio The Best, da Fifa. Foram tantas glórias que foi contratada pelo Chelsea por valor recorde e agora foi eleita a melhor jogadora nacional de 2020 pela Associação de Jogadores da Dinamarca, obtendo 91% dos votos das jogadoras dinamarquesas. 

A atacante de apenas 28 anos é até então a transferência mais cara da história do futebol feminino, tendo custado 337 mil euros aos cofres blues, o que ainda mostra a grande disparidade de valores entre as modalidades. A jogadora tem mostrado a sua constância e alta performance ao decorrer dos anos, conquistando vários prêmios individuais e quebrando recordes. 


Harder foi eleita a melhor jogadora da Europa em 2018 e em 2020. Foi indicada para o The Best na temporada passada, junto com Wendie Renard e Lucy Bronze, perdendo para a jogadora inglesa. 

História

Pernille Mosegaard Harder nasceu em 1992 na cidade de Ikast e iniciou a sua carreira na equipe local, passando posteriormente por Viborg e Stovbakken, até chegar em 2012 nas suecas do Linkopings. Em 2015, viveu sua melhor temporada pelo clube, com 17 gols em 22 partidas e sendo a vice-artilheira da competição. No total, foram 85 gols em 109 partidas pelo time sueco. 

Em novembro de 2016, um novo desafio: transferiu-se para o Wolfsburg com um contrato inicial de duas temporadas e meia, mas ficou até a temporada passada, conquistando quatro títulos de Bundesliga e quatro Copas da Alemanha, sendo vice-campeã da UEFA Women’s Champions League e sendo a melhor jogadora europeia duas vezes. Foram 105 gols em 114 jogos.


Estreou na seleção dinamarquesa em 2009 e desde então, coleciona mais de 100 aparições com a braçadeira de capitã e mais de 60 gols com a camisa vermelha e branca. Também foi vice-campeã com a Dinamarca na Euro 2017. 

Chelsea FC

Desde sua chegada em Kingsmeadow, tem sido titular na maioria dos jogos e tem feito muito a diferença na equipe, tendo marcado 3 gols e 3 assistências em 12 partidas. Além de sua versatilidade de poder atuar tanto como meio campista, como no ataque e nas pontas, é uma jogadora que se movimenta bastante, com grande visão de jogo, construção de jogadas e habilidades individuais, dinamicidade no setor ofensivo e finalizações precisas. 

Foto: Chelsea FC

Observando o mapa de calor retirado de análise do Total Football Analysis, sua movimentação é predominante no campo do adversário e transitando bem entre o meio e o ataque. É uma jogadora interpretante de espaço, possui grande visão de jogo e aproveita falhas defensivas do clube adversário para suas opções de passes.

Com a jogadora, Emma Hayes monta seu esquema tático em um 4-2-3-1 ou em um 4-3-3, utilizando Harder tanto como meia centralizada como nas pontas. Com um elenco de qualidade como o do Chelsea, a chegada da dinamarquesa também serve para implantar a competitividade no elenco, que possui grandes jogadoras como Francesca Kirby, Samantha Kerr, Bethany England, Guro Reiten, Erin Cuthbert, Melanie Leupolz, Sophie Ingle e Ji So-Yun. Outra virtude perceptível em Harder é sua capacidade de liderar os clubes que faz parte mesmo com sua pouca idade. 

Mapa de calor da movimentação de Pernille Harder. Fonte: Total Football Analysis

A Women’s Super League também tem causado grande evolução à jogadora, principalmente por estar sendo uma liga mais competitiva do que a Bundesliga devido aos maiores investimentos dos clubes, principalmente do Big Six. Atualmente, o Chelsea está na terceira posição do campeonato com 20 pontos e dois jogos a menos devido a casos de contágio por Covid-19 nos times. São seis vitórias e dois empates até então, com Emma Hayes continuando seu ótimo trabalho no clube, buscando o bicampeonato inglês e o título inédito da Champions. 

Postar um comentário

0 Comentários