"Todos gostariam de viver um conto de fadas", Tomori se abre sobre sua saída do Chelsea

AFP via Getty Images

Por Tim Langendorf
Em entrevista exclusiva ao Telegraph, nessa sexta-feira (19), Fikayo Tomori (23), abriu o jogo sobre sua saída dos Blues em janeiro desse ano, por empréstimo, rumo ao Milan, dias antes da demissão de Frank Lampard do cargo de treinador do time de Londres, com uma opção de compra de £25m que pode ser exercida pelos italianos ao fim da temporada. Com bom início pelos Rossoneri, o zagueiro garantiu que não guarda nenhum tipo de mágoa com seu ex-treinador, entretanto enfatiza que a situação toda foi muito difícil para ele.

"De repente eu estava fora do time e não sabia realmente porque." - relatou. Após seis meses de muitos jogos na temporada 19/20, o jogador foi relegado à última opção da defesa, semanas após renovar seu contrato, e, segundo o próprio, por mais que buscasse readquirir seu espaço nos treinos, nada mudou. "No momento, nada parecia funcionar e nada era explicado para mim" - definiu.


"Foi um ano frustrante, 2020. Especialmente depois de jogar tanto em 2019." A falta de jogos fez o jogador pensar em um empréstimo antes do início da temporada 20/21, onde pudesse jogar e retornar ao Chelsea com uma temporada inteira de experiência na liga. O Everton mostrou interesse, mas o negócio foi vetado pelo treinador, que contava com Tomori em seus planos.

"Então, apenas algumas horas antes do fechamento da janela recebi uma ligação que dizia que o treinador havia me liberado para um empréstimo pra o West Ham, o que foi um choque para mim. Nada daquilo havia sido conversado". Focado no que havia programado para si, o jogador se recusou, ficou no clube e se seguiu uma temporada em que jogou apenas 45 minutos pela FA Cup.

 imago images/Independent Photo Agency

"Serei sempre grato pelas oportunidades que ele me deu. Talvez por conta de nossa história ele achava que eu aceitaria, mas ao meu ver, justamente por essa história, me pareceu pessoal e mais difícil de entender. Todos gostariam de viver um conto de fadas, mas a vida e o futebol não são assim. Não estou dizendo que nunca mais jogarei pelo Chelsea, mas no momento não sou um jogador do Chelsea. Estou no Milan, tenho que me focar aqui e, quem sabe, viver esse conto de fadas".

> Alícia Soares: Organização, pressão pós-perda e resultado: o início de Tuchel no Chelsea

Fikayo relatou que ainda não conversou com o novo treinador, Thomas Tuchel, mas garantiu que acha isso normal, visto que o foco do alemão deve ser a equipe agora. Perguntado sobre o jogador em sua coletiva, o técnico respondeu que ainda não teve tempo de se aprofundar nos jogadores emprestados, o que deve fazer nas próximas semanas, mas que de modo geral vê "um alto potencial" no defensor inglês.

Postar um comentário

0 Comentários