Saúl busca se reencontrar com Tuchel

 Espanhol chega aos Blues para oferecer opções e jogar 'onde gosta'



Chegado por empréstimo junto ao Atlético de Madri, Saúl Ñiguez (26) quer reaver no Chelsea os seus melhores momentos na carreira, quando foi essencial na equipe comandada por Diego Simeone entre 2016 e 2019. 

Versátil, o jogador foi utilizado de diversas maneiras durante suas seis temporadas pelos colchoneros. No entanto, o próprio já se demonstrou desconfortável com a situação de não ter um posicionamento mais fixo em campo, e prefere atuar no meio-campo.

> Tim Langendorf: Lukaku era a peça que faltava no quebra-cabeça de Thomas Tuchel

No infográfico abaixo se evidenciam dados de sua passagem por Madrid, para ajudar a entender as possibilidades de Saúl.

Clique na imagem para ampliar

Apesar de seu antigo treinador enxergar vantagens na constante mudança de função do jogador, ele parece realmente obter um produto final melhor quando escalado na faixa central do campo, tendo maior destaques nos períodos em que mais atuou por ali.


Mas então, o que Saúl pode oferecer ao Chelsea jogando no meio campo? 

Para entender as possibilidades separei dados do jogador na temporada 16/17, uma das melhores dele pelo Atleti, terceiro colocado em La Liga e semifinalista de UEFA Champions League, e comparei com a última temporada do trio de meias dos azuis de Londres: Kanté, Kovacic e Jorginho.

Clique na imagem para ampliar

Nem mesmo em um dos melhores anos de sua carreira o espanhol teve o desempenho defensivo próximo ao visto pelo trio do Chelsea na campanha do título europeu, nem sequer demonstra a mesma capacidade de reter a bola e ganhar campo da dupla Kanté e Kovacic, influenciado, talvez, pelo estilo de jogo do seu antigo clube.

Porém, quando olhamos os aspectos de criação, ofensividade e o produto final, Saúl tem números bem superiores aos seus novos companheiros, jogando na mesma função, indicando que o tipo de versatilidade que ele pode trazer para o time vai além de exatamente atuar em diferentes setores do campo. Sem tanta capacidade para destruir o jogo adversário, o espanhol é um meio-campista mais criativo e finalizador.


Caberá a Thomas Tuchel potencializar novamente essas características do atleta, sem perder eficiência na pressão no meio de campo e na saída de bola. Dosar seu jogo e adaptar o jogador a dinâmica mais posicional e de amplitude do Chelsea, que controla quando necessário e acelera quando tem a brecha, pode transformar Saúl Ñiguez numa arma a mais muito interessante desse time já recheado de boas opções.

Postar um comentário

0 Comentários