Sem "panic buy" e um elenco mais forte: a janela do Chelsea

O Chelsea foi de maneira assertiva ao mercado e qualificou ainda mais o seu já gabaritado elenco

Por Allan Pedro Bastos
A janela fechou e o Chelsea, no apagar das luzes, garantiu a chegada por empréstimo de Saúl Ñíguez. O meia de 26 anos, que pertence ao Atlético de Madrid, assinou contrato de empréstimo por 1 temporada com opção de compra fixada ao término do período por algo em torno de £35Mi. O espanhol se junta a Marcos Betinelli, goleiro inglês de 29 anos que chegou sem custos vindo do Fulham, e a ninguém mais, ninguém menos do que Romelu Lukaku, grande contratação da equipe nesta janela de verão, que volta aos Blues depois de ter saído em 2014, na transferência mais cara da história do clube (em torno de £97.5Mi).

Pode parecer pouco, sobretudo se comparada à do verão passado, quando tivemos as chegadas de Havertz, Ziyech, Werner, Chilwell, Thiago Silva e Mendy a Stamford Bridge. Entretanto, não houve a saída de nenhum jogador imprescindível (e elas serão discutidas mais abaixo) e a base da equipe campeã da Champions League não apenas foi mantida, como também reforçada em dois setores que careciam ou de qualidade, o ataque, ou simplesmente de opções, o meio campo. Além disso, é de se registrar que o Chelsea obteve quase £40Mi de lucro entre saídas e chegadas, e por isso é digno de elogios a atuação de Marina Granovskaia e de toda a direção do clube. Se, em janelas passadas, tivemos as chegadas de Drinkwater, Zappacosta, Bakayoko e tantos outros, não temos o que reclamar das duas últimas.

Chegadas

Lukaku retornou ao Chelsea após 7 anos. (Foto: Vince Mignott/Imago/One Football)

Romelu Lukaku - £97.5Mi - Inter de Milão

Podemos discutir se o belga é top 3 do futebol mundial na posição, mas inegável está entre os 5 melhores centroavantes em atividade atualmente. O retorno de Lukaku, hoje aos 28 anos, ao seu clube de coração, e principalmente sua estreia na vitória contra o Arsenal, já deram uma mostra de muito do que ele pode agregar ao time: gol, pivô, dominância sobre a zaga adversária e muito repertório ofensivo. Era, efetivamente, a peça que faltava para elevar, ainda mais, a qualidade do elenco.
 
Saúl em sua apresentação - mudança de ares pode recolocar sua carreira nos trilhos (Foto: Reprodução Twitter Chelsea)
 
Saúl Ñíguez - €5Mi (empréstimo) - Atlético de Madrid

Longe de viver seus melhores dias, um novo desafio na Premier League pode ser exatamente o que Saúl precisa para reencontrar seu melhor futebol. Ninguém desaprende a jogar, e é exatamente nisto que o Chelsea aposta ao trazê-lo por empréstimo para Stamford Bridge, principalmente para uma posição para a qual Tuchel conta apenas com Kanté, Kovacic e Jorginho (sem mencionar Loftus-Cheek e Barkley, que acabaram ficando no elenco e, apenas eventualmente, devem figurar nos jogos, ainda que no banco de reservas). O espanhol possui excelente passe e finalização de longa distância, além de pressionar bem e estar relativamente acostumado à linha de 4 no meio campo. Com as constantes lesões de N'Golo Kanté, é provável que tenha bastantes minutos e contribua para que o francês tenha tempo de se recuperar entre as partidas, sem a necessidade de disputar todas. Caso agrade e o clube opte por contar com ele em definitivo, Saúl tem valor de compra fixado em £35Mi, algo que não pode ser considerado "caro" para os padrões do futebol moder.

Marcos Betinelli - Fulham

Betinelli foi contratado, inicialmente, para ser terceiro goleiro, posição vaga desde a saída de Willy Caballero. É experiente, possui 29 anos, e chega sem custos além de salários.
 
> Bruno Bourguignon: O que Lukaku pode proporcionar ao Chelsea 

Saídas

A tão desejada reformulação parece ter ganhado força e o que se viu nessa janela foram saídas de jogadores que já não tinham mais futuro no clube, mas que ainda assim pesavam (alguns ainda pesam) na folha salarial. Entre as principais saídas, destacam-se a venda de Kurt Zouma para o West Ham. O defensor se despede do Chelsea após 6 temporadas e com o carinho de grande parte da torcida. Tammy Abraham foi, sem dúvidas, a saída que mais dividiu opiniões entre os fãs. Sua ida para a Roma, de José Mourinho, foi a maior venda deste verão, e incluiu uma cláusula de recompra fixada em algo em torno de €80Mi. Além desses, algumas promessas da base partiram em definitivo do clube, caso de Marc Guehi, que se juntou ao Crystal Palace, de Tino Livramento, que rumou para o Southamptom, e de Lewis Bate, cujo destino foi o Leeds United. Em comum, atletas sobre os quais os torcedores tinham grande expectativas, mas que decidiram seguir se desenvolvendo em equipes da Premier League de menor expressão. Para alguns deles, assim como no caso do centroavante, há a opção de recompra ou no mínimo uma preferência em caso de negociação futura.

Outras saídas:
  • Michy Batshuayi - empréstimo - Besiktas (TUR)
  • Emerson Palmieri - empréstimo - Lyon (FRA)
  • Billy Gilmour - empréstimo - Norwich (ING)
  • Conor Gallagher - empréstimo - Crystal Palace (ING)
  • Tiemoué Bakayoko - empréstimo 2 temporadas com opção de compra de €20Mi - Milan (ITA)
  • Baba Rahman - empréstimo - Reading (ING)
  • Ethan Ampadu - empréstimo - Veneza (ITA)
  • Tino Anjorin - empréstimo - Lokomotiv Moscou (RUS)
  • Kenedy - empréstimo - Flamengo (BRA)
  • Matt Miazga - empréstimo - Alavés (ESP)
  • Jake Clarke-Salter - empréstimo - Coventry (ING)
  • Dujon Sterling - empréstimo - Blackpool (ING)
  • Danny Drinkwater - empréstimo* - Reading (ING)
  • Olivier Giroud - venda - Milan (ITA)
  • Ike Ugbo - venda - Genk (BEL)
  • Fikayo Tomori - venda - Milan (ITA)
  • Davide Zappacosta - venda - Atalanta (ITA)

*O empréstimo de Drinkwater significa uma saída em definitivo, já que o volante entrou em seu último ano de contrato e não houve renovação antes do acerto com o Reading.

O elenco para 2021/22

Sem dúvidas, é possível afirmar que o elenco se qualificou em relação à temporada passada. Lukaku proporciona algo que não tínhamos na última campanha, já que nem Abraham, nem Giroud funcionaram quando utilizados por Tuchel. Saúl, por sua vez, confere profundidade às opções de meio campo, além de ser um jogador de mais "produto final" do que seus três companheiros de posição. A saída de Zouma poderia significar uma opção a menos para a zaga, mas Trevoh Chalobah parece ter conquistado a confiança do treinador, que pediu sua permanência e premiou seu empenho com a titularidade na final da Super Copa da Europa e na partida de abertura da Premier League, na qual marcou seu primeiro gol com a camisa do Chelsea.

É, no mínimo, curioso o que será feito de alguns jogadores que não foram negociados e acabaram ficando, casos de Malang Sarr, Ruben Loftus-Cheek, Lewis Baker, Ross Barkley e Musonda Jr. Destes, os mais prováveis de ter alguns minutos em campo e, ainda assim, em jogos de Copas, são Loftus-Cheek e Barkley, mas há muitas dúvidas quanto a isso. É só observarmos que, neste início de temporada, jogadores do calibre de Thiago Silva, Ben Chilwell, Timo Werner, Pulisic e Hudson-Odoi pouco atuaram ou sequer ainda estrearam. A certeza é a de que o Chelsea possui, hoje, um dos melhores elencos da Europa, não só em termos de quantidade, mas principalmente em termos de qualidade, o que nos credencia a disputar todos os troféus possíveis. A Super Copa da Europa já foi conquistada, mas até aonde podemos chegar em 2021/22?

Postar um comentário

0 Comentários